11 anos depois, sentir falta não significa que faça falta

Eu bem achava que, depois de voltar de vez (whatever that means), ia deixar-me de contar aniversários. Mas lá agora: é mais forte do que eu.

(Assim prepara a lenga-lenga, mas olha que a perspetiva é bem diferente.)

Faz hoje 11 anos que fui embora da minha Lisboa. E a diferença é que é dessa Lisboa que escrevo hoje.

Passei o biombo, fugi para o Norte europeu. Uma década depois estou a viver na minha alface-natal, na minha casinha, com o meu trabalho, os amigos de sempre, os amigos do meu novo Aqui e o contacto com os amigos de lá.

Há dias “sobre-ouvi” uma conversa entre uma rapariga portuguesa e uma holandesa. A portuguesa queixava-se que não sentia fazer parte de cá: “Os meus amigos só falam do seu dia-a-dia, falam uns dos outros, mas não falam do mundo nem de diferenças culturais. Eu não me identifico com isso e por isso sinto que não faço parte disto.”

A holandesa aconselhou-a a procurar pessoas que estivessem na mesma situação – e eu, automaticamente, levantei o braço e sorri.

Mas depois percebi que não sorri por estar na mesma situação. Sorri sim de empatia e nostalgia, por perceber que grande parte dessa angústia já lá vai. Chama-se adaptação, talvez; mas é irónico que eu tenha começado a dar a volta a essa angústia muito mais depressa e naturalmente do que algum dia previ.

Também eu entrei nas tais conversas, também eu desacelerei. Não perdi o mundo dentro de mim – e que grata estou por ter cá novos amigos que não são de cá – nem perdi o mundo que me brota da agenda (antes brotasse da carteira), pois sei que tenho de sair daqui. Mas hoje sei que quero ir saindo… e regressando. Por enquanto é este e o meu mundinho. Aquele que tanto tempo esteve longe da sua dona. Admitir que retrocedi liberta-me uma humildade que me faz sorrir de liberdade.

Sim, magoa-me a notícia de uma bomba no metro de Londres em hora de ponta tanto como se ainda lá estivesse. Sim, sinto falta da Londres que não me chateava a cabeça sobre quando vou casar ou ter filhos. Sim, sinto falta dos cachecóis e dos longos meses de folhas amarelas no chão. Sinto falta que as pessoas cheguem a horas e que as reuniões sejam produtivas, com hora marcada para começar e acabar. Sinto falta de andar com amigos nos transportes públicos, que em Lisboa só ando com desconhecidos.

E sinto uma falta danada de seguir para trás do biombo e apanhar aviões.

Mas sentir falta não significa que me faça falta. Falta fazia-me há 11 anos – a falta de viver tudo o que não conhecia e a falta de me conhecer. Hoje em dia arrepia-me a ideia de haver tantas pessoas que não tenham vivido noutros países, partilhado casa com estranhos, começado coisas grandes do zero.

Tal como deverá arrepiar outras pessoas espalhadas pelo mundo – e com razão – o facto de eu e tanta gente nunca termos feito isto ou aquilo. E por isso reservo-me a aceitar que cada um tem as oportunidades que connosco se cruzam, com base no que a vida nos tiver dado até então, e aquilo que somos e pensamos no momento de abraçar essas oportunidades.

Onze anos depois de cruzar o biombo, sozinha para a auto-descoberta, estou de regresso e rodeada de coisas boas do Mundo inteiro.

Previous

Cinco meses de Portugalidade

1 Comment

  1. Anónimo

    Pois…… e, no silênico da despedida daquele dia, foi sentir ao mesmo tempo, a saudade do feliz regresso do ” lá longe ”
    Bjao

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén