Category: Cá longe (Page 1 of 10)

11 anos depois, sentir falta não significa que faça falta

Eu bem achava que, depois de voltar de vez (whatever that means), ia deixar-me de contar aniversários. Mas lá agora: é mais forte do que eu.

(Assim prepara a lenga-lenga, mas olha que a perspetiva é bem diferente.)

Faz hoje 11 anos que fui embora da minha Lisboa. E a diferença é que é dessa Lisboa que escrevo hoje.

Passei o biombo, fugi para o Norte europeu. Uma década depois estou a viver na minha alface-natal, na minha casinha, com o meu trabalho, os amigos de sempre, os amigos do meu novo Aqui e o contacto com os amigos de lá.

Há dias “sobre-ouvi” uma conversa entre uma rapariga portuguesa e uma holandesa. A portuguesa queixava-se que não sentia fazer parte de cá: “Os meus amigos só falam do seu dia-a-dia, falam uns dos outros, mas não falam do mundo nem de diferenças culturais. Eu não me identifico com isso e por isso sinto que não faço parte disto.”

A holandesa aconselhou-a a procurar pessoas que estivessem na mesma situação – e eu, automaticamente, levantei o braço e sorri.

Mas depois percebi que não sorri por estar na mesma situação. Sorri sim de empatia e nostalgia, por perceber que grande parte dessa angústia já lá vai. Chama-se adaptação, talvez; mas é irónico que eu tenha começado a dar a volta a essa angústia muito mais depressa e naturalmente do que algum dia previ.

Também eu entrei nas tais conversas, também eu desacelerei. Não perdi o mundo dentro de mim – e que grata estou por ter cá novos amigos que não são de cá – nem perdi o mundo que me brota da agenda (antes brotasse da carteira), pois sei que tenho de sair daqui. Mas hoje sei que quero ir saindo… e regressando. Por enquanto é este e o meu mundinho. Aquele que tanto tempo esteve longe da sua dona. Admitir que retrocedi liberta-me uma humildade que me faz sorrir de liberdade.

Sim, magoa-me a notícia de uma bomba no metro de Londres em hora de ponta tanto como se ainda lá estivesse. Sim, sinto falta da Londres que não me chateava a cabeça sobre quando vou casar ou ter filhos. Sim, sinto falta dos cachecóis e dos longos meses de folhas amarelas no chão. Sinto falta que as pessoas cheguem a horas e que as reuniões sejam produtivas, com hora marcada para começar e acabar. Sinto falta de andar com amigos nos transportes públicos, que em Lisboa só ando com desconhecidos.

E sinto uma falta danada de seguir para trás do biombo e apanhar aviões.

Mas sentir falta não significa que me faça falta. Falta fazia-me há 11 anos – a falta de viver tudo o que não conhecia e a falta de me conhecer. Hoje em dia arrepia-me a ideia de haver tantas pessoas que não tenham vivido noutros países, partilhado casa com estranhos, começado coisas grandes do zero.

Tal como deverá arrepiar outras pessoas espalhadas pelo mundo – e com razão – o facto de eu e tanta gente nunca termos feito isto ou aquilo. E por isso reservo-me a aceitar que cada um tem as oportunidades que connosco se cruzam, com base no que a vida nos tiver dado até então, e aquilo que somos e pensamos no momento de abraçar essas oportunidades.

Onze anos depois de cruzar o biombo, sozinha para a auto-descoberta, estou de regresso e rodeada de coisas boas do Mundo inteiro.

Fecha-se o ciclo

Leipzig 2007-2017

Dizem que não devemos regressar aos lugares onde fomos felizes. Eu, que nem sou de riscos, resolvi vir parar a Leipzig dez anos depois do ano em que senti uma concentração tal de felicidade que parecia nem caber em mim.

Read More

Por detrás do Obrigada (ou sair à rua quando a chuva passa)

(read in English)

Faz amanhã um ano que eu desfrutava de um dos dias mais felizes da minha vida. Juntavam-se os meus dois mundos, o de lá e o de cá, comemorando três décadas de vida num dia de verão mais-que-perfeito.

Aos carros que vieram das minhas raízes lisboetas juntaram-se aviões oriundos de Dortmund, de Berlim, de Londres e de Bruxelas, com gentes francesas, alemãs, portuguesas, uruguaias, americanas, inglesas, irlandesas, italianas.

DSC09844 - Copy

(e não foi só isto!)

Para os caranguejos (e mais ainda para os caranguejos-pessimistas) é difícil aceitar a felicidade plena, mesmo que por um dia, como se tivesse mesmo de haver uma armadilha à espreita. Essa nervosa aceitação tem por isso mais sabor quando, olhando em volta, não se encontra armadilha nenhuma. Pelo contrário: aprecia-se a nuvem sob a qual meses se viveu, esquecendo as cores da infância, das paixões, do estrangeirismo. E enfim se sorri genuinamente.

Read More

Brexit? Não me levem a Europa que tão feliz me tem feito

Um pedido a poucas horas de se conhecer o resultado do voto

Cépticos, incluindo eu, de que a Europa em que a minha geração cresceu tenha futuro. It’s all fucked up, dizemos enquanto galgamos cervejas, como se não houvesse esperança. Eu, pessimista por natureza, vou na conversa, acreditando também que se isto ou aquilo acontecer vamos pelos ares.

Vamos pelos ares porque nos tornamos divididos, como se não nos valesse então nenhum avião para nos dizer que somos parte de uma União cheia de história e cujos benefícios tomamos hoje por garantidos. Vamos pelos ares qual bomba que não sabe o que foi este território há tão poucas décadas, dizimado por outras bombas, aleatórias, enviadas pelo ódio e por argumentos desfundamentados.

Read More

Esta coisa de estar triste e feliz (ou ode à amizade)

20160114_155214

As emoções atropelam-se para conseguirem lugar na carruagem. Depressa começam a rodopiar na montanha russa, bate o vento de frente, vento de medo apático.

É tão boa a sensação de repetir esta experiência: há que chamar de dádiva à possibilidade de me despedir outra vez com o coração a ferver. A despedida com sabor a certeza incerta, um lugar que sei que preciso de deixar mas que deixa em mim tanto de tão bom.

Read More

É desta, Londres: vou-me embora

central parkSonho multiplicado esse, o de o trabalho me levar para aqueles lados. Trabalho também ele sonhado, lembrando-me que posso fazer algo por que o mundo agradece.

Nos dias de folga passeio com os laços do meu sangue, o Central Park pinta-se de vermelhos e amarelos-bronze num outono brindado a sol de verão. Despacha-te!, levanta o queixo, põe os ombros à vista e sorri com nostalgia que lá não tens disso.

Read More

Page 1 of 10

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén