Tag: Argentina (Page 1 of 2)

Chamada à terra

Apesar de ter sido a melhor viagem de autocarro (com direito a bife a bordo e casa-de-banho com cheiro a rosas), não deixou de ter um sabor amargo – por ser a última.

O mesmo com a chegada a Buenos Aires. Não chegou a azáfama da hora de ponta de uma metrópole a acordar devagar para o novo ano no pico do seu verão. Não chegaram as promessas de amor eterno do muchacho que nos levou de táxi até ao hostel, nem chegou termos enfim dado entrada no único quarto privado da nossa viagem. Buenos Aires cheirava a despedida e pronto.

Nem de propósito, decidimos remar contra a maré. Literalmente: na manhã seguinte estávamos num barco a caminho do Uruguai.

Read More

Um brinde à nossa

Mendoza cartão de visita

É pena a memória não desenhar cheiros nem temperaturas tão fielmente como imagens. Mendoza é calor tórrido e cheiro a uva.

Read More

Da montanha ao deserto em 29 horas

A pasmaceira de Iruya incluiu a busca por qualquer tipo de instrumento digital com acesso à internet que nos permitisse marcar transporte e alojamento para a nossa próxima paragem – a nada mais nada menos do que 1600 quilómetros dali.

Pois que em vão batemos à porta do único cybercafé da vila, com pouca luz e muitas moscas, meia dúzia de computadores-canhão de há 20 anos atrás. “No hay internet, chicas”. Conta-nos que a antena caiu. “Mañana“. É.

Fiámo-nos na folha de papel que a señora do quiosque nos mostrou, com horários de todos os autocarros que saíam daquele fim do mundo e arredores em direcção ao sul. Só não sabíamos se o papel também tinha 20 anos, pero bueno, não tínhamos alternativa.

Read More

Altitude

Acordar em Tilcara é como acordar no campo, no deserto e na montanha ao mesmo tempo. Sabe bem vestir roupas leves e sentir uma brisa matinal fresca, enquanto se saboreiam torradas com doce de leite e um chá (não de coca, apesar das folhas à mercê).

Cedo nos encontrámos com o guia local que nos acompanharia nessa manhã numa caminhada até às Cuevas del Wayra, a 2900 metros de altura, para ver o arco-íris da Quebrada de Humahuaca.

Uma caminhada que se revelou subida, dura, tórrida e seca, porém imponente e genuína. Para quem começa a saborear as maravilhas da meditação, a experiência auditiva foi – tal como em Iguaçú, por razões diferentes – a mais marcante. O raspar dos sapatos nas pedras do chão. Respiração ofegante. Brisa leve a chocar nos ouvidos. Água a balançar na garrafa. Sons que, se imobilizados, mergulham corpo e alma num som-a-nada sem descrição.

 

Read More

Meu Norte

Ta-ta-ta-rrra-ta-ta, ta-ta-rrrra-ta-ta, ta-ta-rrrra-ta-ta

Ao som do ritmo latino-repetitivo da cabine do motorista chegámos a Salta, capital da região com o mesmo nome. Ficámos especialmente felizes com a proximidade de novo alojamento – e eis que três posts depois tomámos banho!

Deixámo-nos levar pela descrição do hostel com piscina (ou um tanque pouco limpo), que nos trouxe um dormitório para quatro de dimensões modestas, janela para um átrio e por isso escasso em brisas, mas uma ventoinha velha que nos salvou a respiração e abafou qualquer possível ressonar das argentinas das camas de baixo. Nas várias casas-de-banho que tivemos a oportunidade de conhecer toma-se banho ao lado da sanita, com a boca do chuveiro quase em cima da mesma, e um limpa-vidros ao canto para varrer a água.

Não obstante, aquele banho fez disparar os meus níveis de felicidade.

Read More

Cabo das Tormentas

Eu bem queria escrever todos os dias, mas Londres não deixa. A energia desta cidade dá toda uma outra história – que fica para a próxima.

A nossa primeira viagem de autocarro por estradas argentinas passou de 9 para 14 horas. “Corrrrrienteeees!”, gritou o motorista para os mais sonolentos. Lá fora um bafo assustador. Dá propina ao señor para tirar mochila lá de trás, dá propina à señora para usar a casa-de-banho sem papel higiénico nem sabão, dá propina à señora para que nos guarde as mochilas bem à vista, sozinhas, numa barraquinha. Não há-de ser nada.

Corrientes surgiu no nosso itinerário simplesmente porque não queríamos fazer a viagem de Iguazu até Salta de uma vez. Decidimos aproveitar o dia num sítio diferente, e nessa mesma noite seguir caminho para o noroeste do país. Estávamos então muito perto do Paraguai, ao largo do seu meio-cabo terrestre mais a sul.

Read More

Page 1 of 2

Powered by WordPress & Theme by Anders Norén